"Escrevo: por que a escrita me faz bem, muito bem,
uma, duas, três, várias palavras, poemas, versos, textos.
Só preciso que existam palavras e elas possam me ajudar
a encontrar o vão entre os meus pensamentos e sentimentos.."Juliana Matos

8.8.09

Palavras soltas ao vento, completamente sem rumo e localização..

Era prevista a imperfeição pelo reflexo de toda luz
no acalanto sentido..
a distância em si fez..
que a vida fosse mais..
uma vez..
pelos horizontes desta estrada
rumo e direção completamente estranhos
a todos os olhares
pelas cores sombrias, o tempo esfria
o coração apressado
corre desesperado, para enfrentar o sentimento
em cada casebre, tua verdade se esconde
pelos preconceitos, se vê o futuro
da necessidade de sonhos
da imortalidade da alma
de tudo em nada
pelos poros de resistência
a razão explorada
a decisão se encoraja a dizer
que aquela rua deserta
se abriu para a reserva de chances
de encontrar a sua almejada definição
toda, que não se vê, pode ser
que esteja discreto
e discretamente seja revelado
pela presença e ausência de instantes
ainda, espera-se um novo dia
que isso se desculpe
ou que a desculpa seja mais uma
de tantas por ai ,soltas pelo ar
foi naquelas verdades que a sombra
se alojou,
morreu em teus versos gloriosos
de tamanha audácia..
de imenso prazer, pela voz do silêncio
disse, então, um adeus..

Nenhum comentário: