"Escrevo: por que a escrita me faz bem, muito bem,
uma, duas, três, várias palavras, poemas, versos, textos.
Só preciso que existam palavras e elas possam me ajudar
a encontrar o vão entre os meus pensamentos e sentimentos.."Juliana Matos

10.1.10

Diálogos


Foi neste pleno silêncio
que olhei ao redor
não vi imagem, luz, calor, suor
parece-me que o tempo parou

só uma música no piano vem me falar aos ouvidos
e me ponho a escutar
este vento que refugia meus cabelos
talvez queira me levar

e não sei mais o que pensar
minha alma quer ir, chegar ao ponto
que sempre quis estar
seria poesia apenas
ou uma doce melodia versando sobre
a minha fantasia
reparo que as versões das minhas lágrimas
não sabem mais escapar

e fecho os meus olhos a espera de voltar
aqueles momentos que ficaram sem cessar
sinto-me neste silêncio incapaz de amar
talvez falte a parte mais importante
ou apenas eu me esqueça de sonhar..

6 comentários:

Estrela disse...

Oi..Jú, aqui estou de novo...rs.
É irresistível não vir aqui, visitar seu cantinho.
Sim tb me chamo Juliana e moro em Minas Gerais...rs.
O silêncio é bom qdo precisamos encontrar as saídas.
Qdo precisamos acariciar a nossa alma e só fechar os olhos, desligar do mundo, ouvir as batidas do nosso coração, sentir a nossa respiração...DEUS se faz presente em qualquer momento.
Diálogos sempre serão bem vindos, as dúvidas, os questionamentos mostra a nossa evolução, não estamos parados aceitando tudo de boca fechada, existe uma vida gritando dentro de nós...existe um alguém querendo ser OUVIDO mesmo no silêncio....rs.
Bjs no ♥ (*_*) linda semana p/ vc.

Márcio Ahimsa disse...

a parte mais importante é o amor, ele está em aí, ele está aí...

Beijo, querida.

Priscila Rôde disse...

Sinta - se incapaz de amor mas, não seja!

Flavia C. disse...

Diálogos internos são sempre um refúgio, um consolo quando a mente não obedece os sinais.
Adorei, adorei.
Parabéns, linda!

Leo disse...

Oi Amor estou deixando um pedacinho de nós aqui:

Quando o verão chegar
Quero te encontrar
No calor do sol e o mar
Namoro na areia

Conchas, ondas, sonhos
Canções, laços, beijos
Nós dois nos amando loucamente
Ascendendo a cidade dos poetas

Eu quero ter o seu corpo coladinho no meu
E o meu corpo suado coladinho no seu
Som de bandinha no largo
O nosso amor acendeu
O mar brincando na areia igual a você e eu

Cris França disse...

as vezes a gente fica assim mesmo, meio que em branco, parado, vazio, mas depois retomamos tudo, porque mesmo que a gente queira as coisas não param quando a gente para.

bjs